facebook instagram youtube whatsapp

Agronegócio Quinta-feira, 18 de Janeiro de 2024, 15:17 - A | A

Quinta-feira, 18 de Janeiro de 2024, 15h:17 - A | A

EFEITO EL NIÑO

Colhendo 4 sacas em algumas áreas, Campo Novo do Parecis teme prejuízos na economia local

Estimativa do Sindicato Rural é uma perda geral no município de 25% da produção de soja nesta safra 2023/24

Canal Rural
MQF

Os resultados obtidos nas primeiras áreas de soja colhidas em Mato Grosso continuam preocupando não somente o produtor, mas também a economia local dos municípios afetados pela estiagem prolongada. Em Campo Novo do Parecis, áreas que antes colhiam entre 50 e 70 sacas de média, estão registram médias entre 4 e 30 sacas apenas.

A colheita da soja em Mato Grosso chegou a 6,46% dos 12,131 milhões de hectares estimados para o ciclo 2023/24.

Em nota divulgada nesta quarta-feira (17), o Sindicato Rural de Campo Novo do Parecis destacou que as preocupações em torno da situação vista no campo são muitas diante “os impactos na economia local no curto prazo devido a maior seca dos últimos 40 anos”.

 
 

Com clima ainda afetando, colheita da soja avança em MT

 

Ainda de acordo com o sindicato, a alteração das chuvas em 2023, provocada pela forte presença do fenômeno El Niño no estado, “causou significativas perdas de produtividade, ainda não mensuráveis nas lavouras de soja” e que diante dos resultados que estão sendo obtidos os produtores “não estão conseguindo assim nem pagar o custo de produção”.

A estimativa do Sindicato Rural de Campo Novo do Parecis é uma perda geral de 25% na produção.

Conforme a nota, além da soja, as culturas de segunda safra e a pecuária também foram afetadas no município. Campo Novo do Parecis é reconhecida nacionalmente como a capital da segunda safra pela diversidade de culturas, visto semear milho, algodão, girassol, feijão, cana-de-açúcar, entre outros.

O sindicato lembra ainda que nos últimos anos o setor também sofreu com a diminuição da oferta de fertilizante e insumos devido à guerra e a pandemia, fatores que elevaram os preços dos produtos. Além dos aumentos das taxas de juros e impostos, como o Fethab.

“Com base no cenário exposto, visando minimizar a inadimplência do produtor e consequentemente perda de crédito, o Sindicato Rural de Campo Novo do Parecis afirma a necessidade de atuação do Governo Federal e instituições financeiras, no sentido de renegociar os compromissos assumidos pelos produtores rurais e os pagamentos dos custeios e investimentos que terão vencimento neste ano”.

Registros das perdas na soja e laudos técnicos

O sindicato orienta ainda os produtores de Campo Novo do Parecis a registrarem as suas perdas por meio de laudos técnicos e fotos.

A orientação, inclusive, segue a recomendação da Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja-MT).

Em recente entrevista ao Canal Rural Mato Grosso, o presidente da Aprosoja-MT, Lucas Costa Beber, frisou que “sempre se fala em parceria e agora é a hora [das empresas e agentes financiadores] de mostrar a parceria de verdade”.

 

“Dois anos atrás tivemos o problema da entrega de químicos, principalmente para a dessecação, aonde o produtor teve que entender e buscar alternativas e muitas vezes pagar mais caro. Agora é a hora das empresas mostrarem essa parceria. Mas, é claro que a gente fala que o produtor tem que ser cauteloso, agir de forma idônea e comunicar a empresas de forma antecipada. Contratar um agrônomo de confiança para fazer laudos técnicos e sempre buscar uma assessoria jurídica de qualidade para evitar prejuízos maiores”.

Decretos de situação de emergência

Segundo o presidente da Aprosoja-MT, os decretos de situação de emergência emitidos pelas prefeituras de Mato Grosso são de suma importância para o produtor rural para eventuais casos de renegociação com empresas e agentes financiadores.

Desde o dia 30 de novembro, de acordo com informações publicadas no Jornal Oficial Eletrônico dos Municípios de Mato Grosso, há registros de decretos municipais em diversas regiões produtivas do estado.

Comente esta notícia

Cuiabá MT, 23 de Julho de 2024