facebook instagram youtube whatsapp

Saúde Sexta-feira, 22 de Setembro de 2023, 10:19 - A | A

Sexta-feira, 22 de Setembro de 2023, 10h:19 - A | A

Confira os sintomas

Como saber se está com um aneurisma cerebral?

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a doença é mais frequente em mulheres. Crianças também podem desenvolver a condição

Correio Brasiliense
MQF

O mês de setembro é marcado pela conscientização do aneurisma cerebral, uma complicação que prejudica cerca de 2% da população mundial. Ela se caracteriza pela dilatação dos vasos sanguíneos, se tornando mais frequente nas artérias do que nas veias, a tornando silenciosa e grave — muitas vezes, não apresentando sintomas até que ocorra a ruptura do aneurisma, que pode resultar em consequências fatais.

 

“O aneurisma cerebral é uma dilatação formada na parede da artéria, geralmente em regiões de bifurcação, onde a parede tende a ser mais frágil, e essa dilatação secular, em formato de um balão, se torna o aneurisma cerebral”, explica o neurocirurgião Victor Hugo Espíndola.

De acordo com dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), a doença atinge cerca de 10 a 15 pessoas em cada grupo de 100 mil habitantes, sendo mais frequente em mulheres. No geral, a taxa é de 3 mulheres a cada 2 homens portadores de aneurisma. Apesar de ser mais recorrente em pessoas com idades entre 35 a 60 anos, crianças também podem desenvolver a condição.

A ruptura de um aneurisma pode resultar em consequências fatais e as chances de sequelas sem reabilitação são consideráveis. Para isso é necessário a realização de exames para o diagnóstico como, por exemplo, a angiotomografia computadorizada e a angiorressonância, além de agir preventivamente.

“Os aneurismas se tornam perigosos quando se rompem, ocorrendo cerca de 500 mil mortes todos os anos. Quanto mais cedo o tratamento for iniciado, maiores serão as chances de sobrevivência e menores serão os riscos de sequelas”, alerta o doutor.

 

Sintomas

  • Formigamento ou dormência na cabeça;
  • Dores de cabeça muito intensas e recorrentes;
  • Aumento da pupila em um dos olhos;
  • Visão embaçada ou dupla;
  • Convulsões.

Fatores de risco

  • Hipertensão arterial;
  • Tabagismo;
  • Diabetes;
  • Aumento do colesterol;
  • Casos na família.

Tratamento

Para o tratamento, o neurocirurgião Victor Hugo explica sobre duas opções que dependem da localização, tamanho, forma e da condição de o indivíduo se encontra.

“Temos duas formas de tratar, a cirurgia aberta que é uma craniotomia, que é o processo de abrir o crânio do paciente e colocar um clipe para interromper a circulação dentro aneurisma", explica.

"Já um tratamento mais recente consiste em fazer um cateterismo por meio da embolização: vamos por dentro das artérias e assim conseguimos obstruir e eliminar ele da circulação, além de prevenir a ruptura”, relata o médico.

Comente esta notícia

Cuiabá MT, 19 de Maio de 2024