facebook instagram youtube whatsapp

Opinião Sexta-feira, 20 de Outubro de 2023, 19:22 - A | A

Sexta-feira, 20 de Outubro de 2023, 19h:22 - A | A

MAX LIMA

Suplementos e Multivitamínicos e os benefícios para o coração

Max Lima
MQF

Se sua rotina diária envolve engolir um multivitamínico, cápsula de óleo de peixe ou outro suplemento dietético, você está longe de estar sozinho. Pelo menos metade dos americanos dizem que tomam suplementos, e os multivitamínicos são os mais populares de longe.

A escassez de evidências de que suplementos vitamínicos e minerais podem prevenir doenças cardiovasculares, mesmo em pessoas com dietas ruins.

No início deste ano, o Journal of the American College of Cardiology (JACC) publicou uma série de resenhas sobre suplementos nutricionais e o coração.

A mensagem para levar para casa sobre multivitaminas — retirada de 22 ensaios comparando multivitaminas a placebo — permanece a mesma: esses suplementos não reduzem o risco de ataque cardíaco, derrame ou morte em geral. Obter suas vitaminas e minerais de uma dieta saudável e à base de plantas faz mais sentido. (No entanto, pessoas com condições incomuns que impedem a absorção normal de nutrientes precisam desses suplementos.)

E outros suplementos anunciados para a saúde cardiovascular, como ácidos graxos ômega-3 (comumente chamados de óleo de peixe), arroz de levedura vermelha e coenzima Q10, todos os quais foram apresentados nas revisões da Jornal de Cardiologia Americano.:

Ácidos graxos - Ômega-3

Depois de vitaminas e minerais, o óleo de peixe é o segundo suplemento mais popular, tomado por cerca de 19 milhões de pessoas nos Estados Unidos. Essas cápsulas âmbar contêm os ácidos graxos ômega-3 DHA e EPA, que podem aliviar a inflamação, ajudar a prevenir coágulos sanguíneos e, possivelmente, prevenir ritmos cardíacos perigosos.

Nas últimas duas décadas, inúmeros ensaios contrapuseram suplementos de ômega-3 contra placebos. O veredicto? Não há dados convincentes que sugiram que os suplementos de ômega-3 podem prevenir um primeiro ataque cardíaco em pessoas em risco.

Como todos os suplementos, os suplementos EPA e DHA não são regulamentados pela FDA, e alguns contêm gorduras saturadas ou oxidadas não saudáveis, poluentes industriais ou mercúrio.

Conclusão: Se você tem doença cardíaca, é melhor perguntar ao seu médico sobre o medicamento prescrito icosapent etil (Vascepa), uma preparação de EPA purificada e em altas doses que reduz o risco cardiovascular quando tomado com uma estatina.

Se você não tem doença cardíaca, comer duas porções de peixe gordo semanalmente ou seguir uma dieta vegetariana saudável rica em nozes, legumes e óleos saudáveis faz mais sentido do que gastar dinheiro em suplementos de óleo de peixe de venda livre.

Coenzima Q10

CoQ10 é uma substância semelhante a vitaminas feita naturalmente pelo corpo que é essencial para a produção de energia dentro das células musculares. Alguns cardiologistas recomendam este suplemento para tratar ou prevenir dores musculares ligadas ao uso de estatinas. Cerca de 10% das pessoas que tomam estatinas relatam dores musculares. Mas a verdadeira incidência desse problema não é clara, pois as dores musculares são comuns em pessoas mais velhas e têm outras causas possíveis.

As estatinas funcionam bloqueando a produção de uma substância (ácido mevalônico) que o fígado usa para produzir colesterol. Mas o corpo também usa ácido mevalônico para fazer CoQ10, o que significa que níveis mais baixos de CoQ10 podem ser uma consequência não intencional de tomar estatinas. Tomar suplementos de CoQ10 regularmente pode aumentar os níveis no sangue, mas não está claro se isso reflete a quantidade no tecido muscular. Uma dúzia de ensaios clínicos compararam CoQ10 com placebo em pessoas com sintomas musculares enquanto tomavam estatinas, mas os resultados foram mistos — alguns mostram um benefício, enquanto outros não. Uma coisa encorajadora sobre este suplemento é que ele parece ser bastante seguro.

Conclusão: Se você tiver dores musculares depois de iniciar uma estatina, trabalhe com seu médico para confirmar que a estatina é a culpada: pare o medicamento por um a dois meses (com a permissão do seu médico) e retome-o. Se seus sintomas diminuírem e depois se repetirem, as opções incluem tomar uma dose mais baixa de estatina, tomá-la com menos frequência ou tentar uma estatina diferente. Você também pode tentar tomar de 200 mg a 400 mg de CoQ10 diariamente para ver se isso ajuda. É barato embora não haja razão para tomá-lo se não ajudar você a se sentir melhor.

Max Lima é médico especialista em cardiologia e terapia intensiva, conselheiro do CFM,  ex-presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia de Mato Grosso(SBCMT), Médico Cardiologista do Heart Team Ecardio no Hospital Amecor e na Clínica Vida Diagnóstico e Saúde. CRMT 6194

Comente esta notícia

Cuiabá MT, 19 de Maio de 2024